Dirofilariose Canina (Verme do Coração)

A Dirofilariose ou o verme do coração é uma doença parasitária dos cães, podendo também afetar os gatos, causada pelo parasita Dirofilaria immitis. A transmissão se dá através da picada dos mosquitos de variadas espécies. Estes mosquitos ingerem as microfilárias (formas larvares imaturas do parasita) junto com o sangue do cão. Os cães doentes são o principal reservatório da dirofilariose e permitem a perpetuação da doença. Depois de aproximadamente 10 a 15 dias da ingestão das microfilárias pelo mosquito, estas transformam-se em larvas infetantes, no seu interior.
Quando o mosquito picar outro cão, as larvas penetram no corpo do animal. Através da pele e da musculatura, estas migram e penetram nos vasos sanguíneos, alojando-se, finalmente, no ventrículo direito e nas artérias pulmonares, onde se desenvolverão até o estado adulto. As dirofilárias adultas podem medir de 11 a 24cm e viver até 7 anos, enquanto que microfilárias podem viver até 2 anos.
Os sinais clínicos vão aparecer meses após a transmissão e vão evoluindo com o tempo, podendo inclusive levar o animal a óbito. Como sinais clínicos, podem ocorrer tosse (consequência da doença pulmonar), aumento da silhueta do ventrículo direito e a posterior falência do miocárdio, levando à insuficiência cardíaca direita. A consequências mais evidente da insuficiência cardíaca direita é, principalmente, a ascite (líquido na cavidade abdominal).
É importante, antes de realizar a prevenção, testar os animais para garantir que não apresentem nenhuma forma da doença.
Existe tratamento para a Dirofilariose, porém, o tratamento demanda que o animal se encontre em condições físicas que permitam suportar a agressão imposta pela morte dos parasitos adultos, pois a massa dos parasitos mortos poderá formar grandes trombos. Por isso, mais importante que tratar, é prevenir a doença.
Atualmente, existem formulações orais, tópicas e uma injetável para a prevenção da Dirofilariose. Tanto as orais quanto as tópicas devem ser administradas mensalmente, sem erro, para que ocorra a prevenção correta. Já a formulação injetável é de aplicação anual, sem a necessidade de outras medicações para que ocorra a profilaxia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Published on: 1 dezembro 2015
Posted by:
Discussion: Leave a comment