lagartixa

Platinosomose felina: a doença da lagartixa

A platinosomose felina é uma enfermidade causada por um verme que se instala no organismo dos gatos, afetando principalmente as funções do fígado. A doença pode causar lesões de vesícula, fígado, pâncreas, intestino e pulmões. O gato perde o apetite, vomita, tem diarreia e fica apático, sonolento. A doença pode ser tratada com vermífugo, na maioria dos casos, mas para os quadros mais graves, apenas antibióticos.

Uma simples lagartixa pode causar muitos problemas para seu gato. A platinosomose felina é de difícil diagnóstico e, em casos mais graves, pode levar o animal à morte.

Gatos portadores da platinosomose felina podem não apresentar nenhuma alteração clínica, como também poderão ter disfunções hepáticas graves, como colestase, colangiohepatite (inflamação das vias biliares e do fígado) e cirrose.

O estilo de vida do gato influencia na prevalência da infecção: em animais de vida livre é de 42%, em gatos confinados é de 7,1% e semiconfinados é de 28,6%.

Transmissão

O ciclo de vida do parasita passa por hospedeiros como caracóis, besouros, sapos ou lagartixas. Estes são os transmissores potenciais para os gatos.

O gato, ao caçar e ingerir estes animais, acaba adquirindo os parasitas.

A fonte principal de transmissão para os gatos é a lagartixa, que está espalhada em todos os lugares de clima tropical.

Sintomas da platinosomose felina

Os sintomas são proporcionais à infestação. Podem ocorrer diarreias, falta de apetite, perda de peso, desidratação e vômitos.

Nos casos que exista interferência no fluxo da bílis, poderá ser percebido à icterícia, aumento do volume do fígado, anemia, inchaço e dor no abdômen e aumento da vesícula biliar.

Dependendo do grau de infestação dos parasitas pode ocorrer o desenvolvimento de processo inflamatório no fígado.

Diagnóstico

O diagnóstico pode ser muito difícil, por isso, além dos sintomas e de exame clínico, poderão ser realizados exames para análise de urina, fezes, hemograma, radiografia abdominal simples ou ultrassonografia.

É muito importante a informação de um possível contato do gato com lagartixas ou outros transmissores.

Tratamento

O sucesso dependerá do tempo e grau de infestação, e principalmente do quanto o fígado tenha sido atingido. Cada caso é um caso, e somente o médico veterinário poderá avaliar e orientar sobre o tratamento.

Quanto mais cedo diagnosticado, melhor a chance de resolução da infestação.

Prevenção

Prevenir a infestação na tentativa de manter a saúde do gato é um desafio. Manter o gato distante de pequenos hospedeiros, principalmente lagartixas, é essencial.

Gatos que têm livre acesso à rua são os mais suscetíveis de serem infestados e progredirem para uma doença hepática irreversível. Normalmente esses animais possuem o hábito de caçar lagartixas e insetos, potenciais transmissores do parasita.

Esse texto é informativo, principalmente para alertar sobre a prevenção e sintomas. Somente o médico veterinário poderá DIAGNOSTICAR e tratar seu animal.

Sobre as lagartixas

As lagartixas de casa, essas que se ver nos muros e paredes, não são venenosas. Funcionam como controles de pragas, pois adoram comer insetos como mosquitos, moscas, baratas e até aracnídeos, como as aranhas, tendo função importante no meio ambiente. As lagartixas, são membros da família dos Gekkonidae e por isso têm o apelido bonitinho de Gekko, dado pelos biólogos.

O nome da lagartixa comum de casa é Hemidactylus frenatus. Esta espécie habita o meio urbano e pode ser vista escalando muros e paredes de casas e outros prédios em busca de insetos que são atraídos pelas luzes. Ela é originada do Sudeste asiático e partes do Norte da África, mas se espalhou pelo mundo por meio dos navios, e hoje são comuns em quase todas as casas. Seu tamanho varia entre 7,5 e 15 cm, e vivem por cerca de cinco anos.

É importante ressaltar que as lagartixas precisam ser preservadas, pois são animais controladores de pragas, sendo a sua presença fator essencial para equilíbrio do meio ambiente. Portanto, não se deixe levar pela paranoia de proteger seu gato a qualquer custo. Não saia por aí exterminando as lagartixas.

fonte: APIPA, AKI É O BICHO

Ajude a APIPA - ASSOCIAÇÃO PIAUIENSE DE PROTEÇÃO E AMOR AOS ANIMAIS

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Published on: 1 fevereiro
Posted by:
Discussion: Leave a comment